Total de visualizações de página

Só Jesus Cristo salva!

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

As últimas coisas / Capitulo 11 / Os 144.000 e a Grande Multidão /Apc 7.


“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                   

Escatologia: “As últimas coisas”.


Índice       

1. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
2.  A Salvação 
3. O Inferno 
4. Os Céus 
5. O Arrebatamento  
6. O Bema de Cristo 
7. As Bodas do Cordeiro 

8. O que está acontecendo no mundo por aí?

9. A visão do Céu  
10. A Grande Tribulação-Apocalipse 6-Os Sêlos.
11.  Os 144.000 e a Grande Multidão /Apc 7.V.1 Depois disso vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos, para impedir que qualquer vento soprasse na terra, no mar ou em qualquer árvore.
Entre o sexto e o sétimo selos, temos um interlúdio, em contrates com as terríveis cenas da ira de Deus retratadas no capitulo 6, o capitulo 7 mostra o povo de Deus sendo selado; começa com a visão de quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra. O capitulo sete é uma pausa entre o sexto e o sétimo selo, mostrando os que permanecerão fiéis a Cristo durante a Tribulação. Estes fiéis de Deus (6.17) são tanto judeus (v.v 3-8) como não judeus (v.v 9,10,13-15). Eles aceitam o evangelho eterno proclamado pelos anjos (14. 6) “E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo”.                            
Essa é a garantia de que os quatro anjos vigiem todo o mundo e nenhuma parte esta fora do seu controle, sua função é reter os quatro ventos para que ventos prejudiciais não soprem sobre arvore alguma; os ventos podem ser outra forma de descrever os quatro cavaleiros dos quatro ventos do céu (Zc.6.5; Is 19.1 e 66.15); enquanto Zacarias associa os ventos ao céu, enfatizando sua sujeição ao Deus do céu, João se refere a eles como ventos da terra, pois sua atividade destrutiva é associada a terra. Os ventos são um símbolo natural de destruição (Is 4.11-12; 49.36). 2 - Então vi outro anjo subindo do Oriente, tendo o selo do Deus vivo. Ele bradou em alta voz aos quatro anjos a quem havia sido dado poder para danificar a terra e o mar:
Um outro anjo sobe do sol nascente, ou seja, do leste; o leste é o lugar onde raia o dia e onde a luz aparece primeiro, o leste simboliza uma fonte de benção (Gn 2.8; Ez 432; Mt 2.1-2); o anjo tem o selo de Deus;  aqui marca os selados como pertencentes a Deus e desse modo, os preserva da destruição que sobrevirá ao mundo. Esse anjo clama em grande voz para os outros quatro e ordena para que não firam nem a terra e nem o mar, nem as arvores ate que os servos de Deus tenham sido selados na testa, V. 3 - "Não danifiquem nem a terra, nem o mar, nem as árvores até que selemos as testas dos servos do nosso Deus". O selo dos servos de Deus pode ser contrastado com a marca da besta, que identifica os indivíduos marcados como adoradores da besta (666) e, portanto, objetos da ira de Deus. Os que têm o selo de Deus, pelo contrario são seus fiéis servos e o adoram na mais perfeita e absoluta devoção, são objetos de sua graça permanente; não serão iludidos pela besta.
Então quem são os 144.000 do Apocalipse 7?
Vs. 4 -8  Então ouvi o número dos que foram selados: cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos de Israel.
5 - Da tribo de Judá foram selados doze mil;da tribo de Rúben, doze mil;da tribo de Gade, doze mil;
6 - da tribo de Aser, doze mil;da tribo de Naftali, doze mil;da tribo de Manassés, doze mil;
7 - da tribo de Simeão, doze mil;da tribo de Levi, doze mil;da tribo de Issacar, doze mil;
8 - da tribo de Zebulom, doze mil;da tribo de José, doze mil;da tribo de Benjamim, doze mil. 
                         
São os judeus, doze mil de cada uma das tribos de Israel que se tornaram cristãos durante a grande tribulação, embora a quem entenda que se trata não só dos eleitos de Israel, mais também dos salvos de todas as nações no período da grande tribulação, isto é os crentes mais os judeus convertidos. Os cento e quarenta e quatro mil são os eleitos de Israel, ao passo que a multidão provém de todas as nações. Os cento quarenta e quatro mil foram selados por Deus antes de começarem os anos piores da tribulação.
A Grande Multidão  Apoc.7.9-17  “ Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos” 
(Assiste o video-clik)               



Percebemos uma grande multidão não contada (os mártires da tribulação) sendo recebidos de vestiduras brancas, alvejadas no sangue do Cordeiro, diante do trono de Deus, não mais na terra, e servem a Deus continuamente. João vê uma grande multidão de pessoas no céu depois de estarem completos os sete anos da grande tribulação; um dos anciãos no céu revela a João a identidade das multidões e o modo como chegaram ao céu; estes são os que vieram da grande tribulação, o capitulo seis diz que muitos seriam martirizados durante a tribulação e lavaram as suas vestiduras no sangue do Cordeiro. A grande multidão finalmente em segurança na casa do Pai, é a resposta ao clamor dos mártires o quinto selo.

Há uma grande discussão teológica a respeito disso, temos dois grupos, o grupo do que acreditam ter uma segunda chance e dos que não creem na existência desta segunda chance.                          a. Os defensores da segunda chance.
Consideramos a multidão em Apoc. 7:9,13,14:
Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são, e de onde vieram?E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.
O versículo diz que é uma multidão que ninguém podia contar. Portanto, muitos se convencerão do pecado durante esse período. São os novos crentes, que se convertem depois do Arrebatamento. Estes crentes se convencem do pecado durante os julgamentos que Deus envia ao mundo no período da Tribulação.                           
Muitos serão salvos durante este período, e que, tendo sido martirizados ou doutra maneira mortos, são imediatamente arrebatados ao céu, um tanto segundo a mesma maneira como as duas testemunhas em Apoc. 11:7-12. Autor: Thomas Paul Simmons, D.Th.
b. Os defensores da não existência de uma segunda chance
Aqueles que tiveram a oportunidade de crer em Jesus antes do  arrebatamento não terão mais nenhuma oportunidade de se arrepender.
Lc.12.46   Virá o senhor daquele servo no dia em que o não espera, e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis.
Mt. 25.10-12  E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta.
E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos.
E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço. (Fonte. Bíblia de estudo do Ensino Pentecostal, pág.2016).
O importante é estar preparado o tempo todo, para morar com Jesus, não importa se antes do arrebatamento ou se no arrebatamento; jamais devemos ter em mente uma segunda chance de salvação após o arrebatamento, agora temos a de graça, e com o nosso livre arbítrio podemos decidir pelo sim:“Eu quero morar no céu”.
Mt.25.13 Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.


Sua irmã em Cristo Rosa Dias
(62) 9188 2681 


Nenhum comentário:

Postar um comentário