Total de visualizações de página

Só Jesus Cristo salva!

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

As últimas coisas / Estudo de Escatologia / Capitulo 2 /Salvação

“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                      
                
Escatologia: “As últimas coisas”.
Índice     
1. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
2.  A Salvação


    Romanos 6:23: "Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor." Não podemos fazer-nos "dignos" da graça de Deus. Salvação é um dom gratuito ao indigno, ao que não merece, e todos nós estamos nesta categoria. "Cristo morreu pelos ímpios"


Romanos 5:6. Efésios 2:8, 9: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie."

A salvação inclui o aceitar a Jesus Cristo tanto como Senhor (Deus, Senhor, novo gerente de nossa vida) e Salvador. Envolve a crença de coração (o centro de nosso ser que rege, governa e escolhe).                                                    Romanos 10:9: "Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos serás salvo."

  Mais quanto, aos que nunca ouviram falar de Jesus? Serão salvos?     

Todos os homens sem Cristo passarão por julgamento e já estão em estado de condenação eterna (Jo 3:18-21) Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.                                                                                                                                       Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.                                                                                                               Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.  Lemos isto em Romanos 2:11-16: "Porque para com Deus não há acepção de pessoas. Assim todos os que pecaram sem lei, também sem lei perecerão; e todos que com lei pecaram, mediante lei serão julgados. Porque os simples ouvidores da lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados. Quando pois os gentios que não tem lei, procedem por natureza de acordo com a lei, servem eles de lei para si mesmos. Estes mostram a norma da lei gravada nos seus corações, testemunhando-lhes também a consciência, e os seus pensamentos mutuamente acusando-se ou defendendo-se; no dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, em conformidade com o meu evangelho" Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6

 Qualquer ser humano, mesmo sendo um canibal, sabe que quando estão matando alguém ou fazendo outro tipo de mau, o seu consciente o acusa, sabem que isso não é certo, mais fazem assim mesmo, o próprio Espírito santo prega à consciência humana.       

  (Apocalipse 20 : 12) E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras."        Neste tempo todos acreditavam que eram justificados porque produzia frutos com suas obras. Adão, Sete, Abel, Noé, Sem, Enoque, Abraão todos eles praticavam obras justas porque esperavam no Senhor. Foram todos justificados porque acreditavam em Deus e não participavam das obras pecaminosas dos filhos do mundo.
Neste tempo não se sabia que era preciso nascer de novo e aceitar Jesus como salvador de todos.  Quem praticava obras dignas de um homem bom era justificado e salvo.
Tiago completa dizendo: Não foi Abraão justificado por obras?
Assim será qualquer ser humano, pois ninguém poderá se gloriar somente pelas suas boas obras.A fé sem obras é morta e ninguém justificado por fé somente.O Espírito Santo atuava como vivificador no Antigo Testamento.   Não há dúvida que os crentes do Velho Testamento foram regenerados. Seria contradição de termos que falar de "crentes não regenerados". Eles eram crentes de fato e o autor da carta aos Hebreus no capítulo 11 de sua epístola atesta esta veracidade. Ele não os nomearia como heróis da fé se não fossem regenerados e salvos. E como o Espírito Santo os regenerava e os salvava em Cristo Jesus? Simplesmente aplicando a obra redentora do Messias no qual eles criam (cf. Jó 19.25). A explicação desta aplicação no Antigo Testamento é entendida quando vamos ao Novo e lemos sobre o "Cordeiro que foi morto, desde a fundação do mundo" (Ap 13.8).
               A ausência do fato histórico da expiação de Cristo no Antigo Testamento não anula, de forma alguma, o seu valor para os crentes daquela época; e muito menos a aplicação da mesma pelo Espírito Santo. Isto é fácil de ser percebido quando vemos os santos do Antigo Testamento oferecendo sacrifícios de animais a Deus e sendo perdoados e salvos. Não por causa dos sacrifícios em si, "porque é impossível que sangue de touros e bodes remova pecado" (Hb 10.4), mas eram perdoados e salvos porque criam na promessa simbolizada no sistema sacrificial.O Novo Testamento nos dá claras indicações, e declarações explícitas, que os sacrifícios de animais no Velho Testamento foram símbolos do mais excelente sacrifício de Cristo (Cl 2.17; Hb 9.23,24; 10.1; 13.11,12). Seu sangue foi vertido para perdoar os pecados (Mateus 26:28). O reinado do Rei Jesus continuará até que todos os que se rebelam contra o seu governo estejam debaixo de seus pés (1 Coríntios 15:20-28). O desfecho será um mundo novo, em que habita a justiça (2 Pedro 3:12) e a maldição trazida contra o mundo por causa do pecado do homem não mais existirá (Apocalipse 21:1 - 22:5). De fato, o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, reina, e concretiza o seu grande propósito. A palavra de Deus é infalível, inspirada pelo eterno Deus, não existe nenhum lugar que informe tão diretamente e real, às claras declarações sobre a salvação. Para os amantes da Bíblia, não é de admirar que este mundo esta em decomposição, há tempos o salmista profetizou: Em tempos remotos lançaste os fundamentos da terra; e os céus são obras de tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permaneces; todos eles envelhecerão como um vestido. Sl 102.25-26ª; H 1.10-11. Os próprios cientistas falam com grande preocupação dessa decomposição inevitável do Cosmo.

Quando aceitamos a Jesus Cristo como único Senhor e Salvador de nossa vida, já declaramos ser Ele o que nos levará ao céu. E agora estamos caminhando para bem perto desse dia, o grande dia da nossa salvação, o dia em que seremos salvos para sempre; salvos do que? Salvos do pecado, salvos das fadigas desta vida, salvos da carne corruptível..., nesse dia da nossa salvação seremos salvos para sempre, pois estaremos morando com o Rei dos reis e Senhor dos senhores, e não haverá mais perigo de perdermos a salvação, lá não precisaremos mas orarmos, jejuarmos ou ler a Bíblia, pois lá estaremos para sempre em gozo de glória e as velhas coisas se passaram e tudo se fez novo. Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e os rios no ermo. Is 43.18-19.
As escrituras apresentam o arrependimento e a fé como condições da salvação, o batismo nas águas é mencionado como símbolo exterior da fé interior do convertido. Mc 16.16; At 22.16; 16.31. A fé é o instrumento pelo qual recebemos a salvação e se ocupa se com a misericórdia de Deus, enquanto o arrependimento é a verdadeira tristeza sobre o pecado. Sem a fé não podemos agradar a Deus e sem o arrependimento jamais veremos a Deus, pois todos somos pecadores, porém carentes da graça de Deus. A conversão esta relacionada com a fé e o arrependimento. Só pela graça seremos justificados para alcançarmos tão grande salvação. A salvação nos esta proposta, agora depende de nós, querermos ou não essa salvação.



      “O Céu e o Inferno são lugares misteriosos, irão surpreender a muitos; alguns para delícias eternas e outros para vergonha eterna”.

 “Onde passarás a tua eternidade?”                         


 Seminarista Rosa Dias




(62) 9188 2681 
Face book. Rosa Dias dos Anjos Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário