Total de visualizações de página

Eventos Evangélicos

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

A viúva de Naim!

E aconteceu que, no dia seguinte, ele foi à cidade chamada Naim, e com ele iam muitos dos seus discípulos, e uma grande multidão;
E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade.
E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores.
E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o que fora defunto assentou-se, e começou a falar.
E entregou-o à sua mãe.
E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, e Deus visitou o seu povo.
E correu dele esta fama por toda a Judéia e por toda a terra circunvizinha.
Lucas 7:11-17  
 
Naim: Uma cidade a noroeste do pequeno Hermom e a 9 Km a sudoeste de Nazaré, hoje Neim. É provável que Naim fica diante do Monte Tabor, na Galiléia.  Há uma igreja cristã que lembra o fato bíblico (construída sobre os restos da antiga igreja em 1881), de propriedade dos franciscanos. Mesmo hoje é uma cidade muito pequena e em 2005 tinha 1.600 habitantes. Qualquer hipótese sobre números de habitantes da cidade no tempo de Cristo é totalmente privada de base científica. Provavelmente era uma pequena vila, com poucas famílias.
Uma família como as demais!
Novamente encontramos Jesus pelo caminho fazendo o bem; Ele ficou profundamente comovido quando se deparou com uma procissão fúnebre e viu a angustia da mãe diante da morte se seu único filho. Imediatamente curou o jovem  e restituiu a sua mãe. 
Por onde passava, ficava um de milagres, sinais e maravilhas, ninguém sabe se essa mulher era rica ou pobre; tudo indica que ela tinha um lar, esposo e filho, quem sabe esta família vivia de uma pequena lavoura ou ate mesmo de um comercio na cidade de Naim, talvez sua casa ficasse em frente a praça da cidade ou até mesmo na saída da cidade; esta mãe provavelmente por muitas vezes ouviu seu filho dizer ‘mãe deixa eu ir brincar com meus coleguinhas’ ou o esposo dizer ‘querida estou indo, para o trabalho, logo volto’,  até aqui no meu raciocínio se trata de uma família normal e cheios de esperança de um futuro melhor para o menino saudável que crescia, é obvio que a bíblia nada diz sobre esta família, apenas estou parafraseando para vivermos esta historia com esta mulher.
Por essa ela não esperava!
Um certo dia, o chamado dia mal, chegou na vida desta família, aquele dia em que ninguém espera, aconteceu, o esposo amado veio a falecer; e agora? E agora, o que vai fazer essa viúva? Agora ela é a mãe e o pai desta criança; penso que os dias não foram nada bons para ela, uma mulher viúva não usufruía de muitas coisas, muitas vezes descriminadas, talvez passando falta das coisas; agora os amigos e parentes são o escape para essa mulher sem marido; vejo uma mulher sem esperança, mas os dias foram passando e ela da o primeiro sorriso para sua vizinha, renova as forças e começa a revirar aqui e acolá, faz uma doação das roupas do marido, o ânimo recobra a formosura em seu rosto triste outra vez, ‘é tempo de lutar meu filho precisa de mim’ quem sabe ela disse isso. Perder seu esposo não foi nada fácil, mas ela sabia que não podia entregar as rédeas, afinal tem um filho para cuidar.
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. Mateus 6:34.
Quando tudo parecia se normalizar, chega mais um dia mal na vida daquela viúva, seu filho único morreu, pior noticia do que esta, não existia para aquela mãe; o chão sai debaixo dos pés dela, o viver perde a razão, as lágrimas se tornaram como cachoeira, sorrir, nem pensar; com a morte do filho chegou à tristeza, o pranto, a desilusão, a desesperança, o sentimento da perda brotou outra vez naquele pobre coração, essa perda fora pior do que aquela do esposo. Penso numa mulher sonolenta no velório de seu filho, com os chás tranquilizantes que as vizinhas lhe deram, penso numa mulher sem força, sem ânimo e entregue a solidão, os velórios eram demorados naquela época, pois eles tinham o costume de embalsamar o corpo e envolviam em faixas de tecido. Hora triste aquela do velório, quem sabe na sala daquela casa junto ao caixão estivessem à família da viúva, do pai falecido, os avôs chorando, as vizinhas com pena da amiga, talvez as pranteadoras ali chorando voluntariamente para o consolo daquela mulher que tanto chorava; não havia esperança alguma para aquela mãe; ela não conhecia Jesus o homem dos milagres, e era tempo do ministério terreno do Messias, que por onde passava os sinais o seguia, as maravilhas arrastavam uma numerosa multidão após Ele.
A pior hora.
Mais a pior hora veio quando quatro ou seis moços entraram na casa, ergueram o caixão e começaram a andar para o cemitério que ficava fora da porta da cidade; oh, hora difícil; aquela mulher caminhava ao lado de seu filho morto, desconsolada, uma amiga lhe abraça, uma parenta enxuga seu rosto molhado pelas lágrimas e o cortejo fúnebre seguia para enterrar seu único filho.
Quando somos atingidos por algum mal, indagamos a Deus, porque Deus? Por quê? Deus não responde, o céu fica em silêncio, e nós olhamos para o céu e dizemos ‘porque o Senhor deixou isto acontecer’?
As duas multidões.
Quando a multidão que ia para sepultar o defunto ia saindo da cidade, eles avistam outra multidão, vindo em direção à cidade; a multidão que saia era composta de pessoas chorando, tristes e sem nem uma expectativa de esperança para aquela mulher e seu filho, estava acabado e pronto. Passamos às vezes por situações como esta, sem esperança, sem saída. Pensamos que tudo acabou e não tem mais saída, pronto é o fim; a multidão que vinha para a cidade era enorme, cheias de fé que viriam os sinais e maravilhas realizados por Jesus, uma multidão cheia de esperança; agora as duas multidões se encontram, uma multidão atrás dum morto e a outra atrás da vida.
O milagre!
Quem sabe alguém da multidão que seguia Jesus disse: Acho que ele vai ressuscitar o defunto! E quem sabe um dos que seguia para o enterro disse: Quem é esse homem que vem a frente dessa multidão? Jesus deu alguns passos  em direção a viúva, ele vê que ela esta desconsolada, triste, chorando, Ele olha aquela situação e avista de perto as lágrimas daquela mulher, acaba por ceder e entra com uma palavra de consolo ‘não chores’, Jesus se compadece daquela mulher, quando ele toca o caixão, (pois um judeu separado não tocava em defunto, por ser considerado imundo, apesar que isto não interessava a Jesus) , os homens que carregavam o defunto, param  sem entender nada; Jesus diz: Jovem, eu te digo: levanta te! Nesta hora a alma desse jovem retornou do além e entrou outra vez naquele corpo, o menino para surpresa da mãe, assentou se e começou a falar e Jesus o entregou a sua mãe.  Naquela hora veio sobre todo o povo um temor e glorificaram a Deus dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós e Deus visitou o seu povo. Jesus não fez aquele milagre por causa do defunto, mais sim, por causa daquela mulher que tanto chorava.
O que se passa com você?
Aprendo que Jesus não resiste as lágrimas de alguém que  esta sem esperança, sem saída; com aquele milagre, Jesus devolveu toda a sorte de benção para a aquela mulher;  e você como esta? Chorando, sem esperança, e sempre com os olhos vermelhos de tanto chorar? Você tem buscado uma saída, mais nunca toma posse dela? Você é uma mãe que chora pela estrada, pelo filho que se perdeu no mundo, nos vícios e na total perdição? Você é uma mulher que tem chorado desesperadamente por sua filha que saiu de casa, na maior ingratidão e não da mais noticias e não está nem ai pra você? Você tem chorado por quê? Você tem se angustiado por quê? Essa tempestade que se levantou contra a tua família, tem lhe feito chorar? Quem sabe você teve perdas como a aquela mulher, e você não se conforma, não aceita o fato; quem sabe você perdeu a saúde, o animo para viver, quem sabe seu problema é financeiro, ou até mesmo ministerial, em fim você esta sofrendo e não sabe mais o que fazer.
Jesus é a saída!
Você precisa levantar a sua cabeça, abrir os olhos da fé e avistar Jesus que vem ao seu encontro, um dia Ele compadeceu de uma mulher que chorava em Naim e hoje Ele compadece de você. Abra o seu coração e deixa Cristo entrar e fazer a obra da alegria, da esperança e da restituição familiar em sua vida; ele é a Saída, é Cura, é o Consolo, é o Refrigério, para sua alma que chora.
Que está palavra possa vir de encontro com você e te trazer a resposta para sua vida! Precisando de oração, deixe seu recado, estarei intercedendo por você,... Eu creio no poder da oração!
Por vossa irmã em Cristo             Rosa Dias 
 



Um comentário:

  1. Perfeita a Reflexão sobre o Poder de Jesus diante da perda e sua providência consoladora!

    ResponderExcluir