Total de visualizações de página

Só Jesus Cristo salva!

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

As últimas coisas / capitulo 13 / A quinta trombeta e o primeiro Ai / Apocalipse 9.

“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                   

Escatologia: “As últimas coisas”.


Índice       


1. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
2.  A Salvação
3. O Inferno
4. Os Céus
5. O Arrebatamento
6. O Bema de Cristo
7. As Bodas do Cordeiro

8. O que está acontecendo no mundo por aí?

9. A visão do Céu  

10. A Grande Tribulação
11.  Os 144.000 e a Grande Multidão
12. O Sétimo selo - o silêncio no céu

13. A quinta trombeta e o primeiro Ai


Apocalipse 9:1-12

E o quinto anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na terra; e foi-lhe dada à chave do poço do abismo.
E abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço, como a fumaça de uma grande fornalha, e com a fumaça do poço escureceu-se o sol e o ar.
E da fumaça vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o poder que têm os escorpiões da terra.
E foi-lhes dito que não fizessem dano á erva da terra, nem a verdura alguma, nem a árvore alguma, mas somente aos homens que não têm nas suas testas o selo de Deus.
E foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem; e o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem.
E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles.
E o parecer dos gafanhotos era semelhante ao de cavalos aparelhados para a guerra; e sobre as suas cabeças havia umas como coroas semelhantes ao ouro; e os seus rostos eram como rostos de homens.
E tinham cabelos como cabelos de mulheres, e os seus dentes eram como de leões.
E tinham couraças como couraças de ferro; e o ruído das suas asas era como o ruído de carros, quando muitos cavalos correm ao combate.
E tinham caudas semelhantes às dos escorpiões, e aguilhões nas suas caudas; e o seu poder era para danificar os homens por cinco meses.
E tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego Apoliom.

Passado é já um ai; eis que depois disso vêm ainda dois ais.
Quando o anjo toca a quinta trombeta, Deus da à Satanás a chave do poço sem fundo- o Abismo. Essa praga dos gafanhotos demoníacos são soltos do abismo, (Is 14.12); os gafanhotos são aterrorizantes, tem formas de cavalos, seus rostos parecem humanos, os cabelos femininos e dentes de leão, eles não são comuns, esses atacam o espírito humano; causam ferimento, mais não matam, tem couraças como de ferro e coroa de ouro, o som de suas asas é como carros e cavalos, precipitando para a guerra, tem capacidade de picar como escorpião, se alimentam do terror. Será um período durante o qual o poder destrutivo imoral do abismo será liberto, sob seu líder Abadom. Recebem ordens para atormentarem por cinco meses “os que não tem na testa o sinal de Deus”. Não poderão matar os homens, mas sim atormenta lós ao ponto de tentarem suicídios, porém fracassarão; é passado o primeiro “Ai”.
A Sexta Trombeta: O Segundo Ai 
V.13-21 O segundo “Ai” trará um tormento que matara a terça parte da humanidade; quatro anjos caídos agora são soltos das amarras que os prendem no rio Eufrates (localizado no Oriente Médio, na atual região do Iraque e da Síria), com eles um exercito de 200 milhões de soldados de cavalaria; a cena é de fogo, fumaça e enxofre; essas três pragas matam a terça parte da humanidade; com o quarto selo a quarta parte da humanidade tinha sido morta (6.8), assim sendo provavelmente somente a metade da terra permanece com vida.Provavelmente esse exercito de 200 milhões de soldados, seja o exercito do Anticristo, ajudados pelos demônios. As pessoas ainda assim em meio ao sofrimento, se comportam com Faraó; Deus enviava pragas e mais ainda ele fechava o coração e não deixava o povo ir; esse povo rejeita a Deus e não se arrependem de seus erros.
Sua irmã em Cristo Rosa Dias




(62) 9188 2681 



 

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

As últimas coisas / Capítulo 12 / Sétimo selo - o silêncio no céu/ Apoc.8.



“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                   

Escatologia: “As últimas coisas”.


Índice       

1. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
2.  A Salvação 
3. O Inferno 
4. Os Céus 
5. O Arrebatamento  
6. O Bema de Cristo 
7. As Bodas do Cordeiro

8. O que está acontecendo no mundo por aí?

9. A visão do Céu  
10. A Grande Tribulação
11.  Os 144.000 e a Grande Multidão
12. O Sétimo selo - o silêncio no céu1-“ Quando ele abriu o sétimo selo, houve silêncio nos céus cerca de meia hora.                                                                                      2 - Vi os sete anjos que se acham em pé diante de Deus; a eles foram dadas sete trombetas.
3 - Outro anjo, que trazia um incensário de ouro, aproximou-se e ficou em pé junto ao altar. A ele foi dado muito incenso para oferecer com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro diante do trono.
4 - E da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso com as orações dos santos.
5 - Então o anjo pegou o incensário, encheu-o com fogo do altar e lançou-o sobre a terra; e houve trovões, vozes, relâmpagos e um terremoto.
6 - Então os sete anjos, que tinham as sete trombetas, prepararam-se para tocá-las.
7 - O primeiro anjo tocou a sua trombeta, e granizo e fogo misturado com sangue foram lançados sobre a terra. Foi queimado um terço da terra, um terço das árvores e toda a relva verde.
8 - O segundo anjo tocou a sua trombeta, e algo como um grande monte em chamas foi lançado ao mar. Um terço do mar transformou-se em sangue,
9 - morreu um terço das criaturas do mar e foi destruído um terço das embarcações.
10 - O terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, queimando como tocha, sobre um terço dos rios e das fontes de águas;                                                                          11 - o nome da estrela é Absinto. Tornou-se amargo um terço das águas, e muitos morreram pela ação das águas que se tornaram amargas.
12 - O quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferido um terço do sol, um terço da lua e um terço das estrelas, de forma que um terço deles escureceu. Um terço do dia ficou sem luz, e também um terço da noite.                                                                                      13 - Enquanto eu olhava, ouvi uma águia que voava pelo meio do céu e dizia em alta voz: "Ai, ai, ai dos que habitam na terra, por causa do toque das trombetas que está prestes a ser dado pelos três outros anjos!"
João emprega o recurso do suspense, depois de apresentar os seis conjuntos de calamidades, não revela o sétimo de imediato, mas insinua de forma sombria que, quando ele chegar, será insuportável (v.1). A abertura do sétimo selo causa silêncio no céu; há uma interrupção no processo aparentemente inevitável, e a pausa permite que se reflita, ate mesmo no céu sobre o que esta acontecendo. Por vezes, o silencio e a reflexão são atitudes corretas em meio aos tumultos da vida. Apoc. 8: 1-5. “E, havendo aberto o sétimo selo, fez-se silêncio no céu quase por meia hora”.
Os salvos, quando chegarem ao céu, ficarão perplexos, vislumbrando, atônitos as belezas daquilo que os olhos jamais viram, 1Co 2: 9. O incenso da vitória, 8:3-5, refere-se às orações de todos os santos. Toda a cena dos versículos 3, 4 e 5 é um prelúdio das Sete Trombetas que começam a ser ouvidas.
O sétimo selo contem a terrível praga das sete trombetas, que são ainda mais horríveis que as dos primeiros seis selos. E as últimas trombetas anunciam tamanhas desgraças sobre a terra que são chamadas “Ais”.
Diante do trono vemos sete anjos com trombetas nas mãos (v.2).
V. 3 e 4. Nesse cenário surge um outro anjo, que se põe junto ao altar, e ele tem um incensário de ouro e foi lhe dado muito incenso. No presente texto vemos esse anjo oferecendo incenso e a fumaça sobe até Deus, então o anjo toma o incensário e enche do fogo do altar e o lança sobre a terra, depois disto houve vozes e trovões, relâmpagos e terremotos; e imediatamente em posição os sete anjos, com sete  trombetas preparam se para toca las.
A primeira trombeta.V.7. O primeiro anjo toca sua trombeta, e saraiva e fogo, (granizo), são atirados a terra; um terço da terra, incluindo a terça parte de sua flora, é consumido toda erva verde e queimada. Este julgamento é o segundo dos três julgamentos que o Senhor enviará à terra durante o período de Tribulação, Durarão mais 21 primeiros meses, completando a primeira metade da Tribulação. Aqueles que aceitarem a Jesus durante a Tribulação, não sofrerão os danos dos julgamentos das trombetas.      
Lembremos sempre de Joel 2:32, que diz que aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.
Segunda Trombeta - Uma montanha de fogo
João usou o termo "montanha de fogo" para descrever um cometa que cairá no mar, matando um terço da vida marinha, transformará um terço da água do mar em sangue e destruirá um terço de todas as embarcações.Já os cientistas da NASA estão alarmados com a possibilidade de que um grande cometa venha a chocar-se com a Terra. Mesmo que caísse no Deserto do Saara, um cometa entraria em nossa atmosfera com a velocidade aproximada de 850.000 milhas por hora, provocando um terremoto mundial, causado pelo impacto não teria precedentes e se faria sentir em menos de 5 minutos.   web.prover.com.br/nominato/Cometaterra.htmTerceira Trombeta -  Estrela chamada Absinto
Mais um cometa que cai na Terra, e ao cair, afeta um terço de todas as fontes de água, tornando-as amargas e venenosas. O nome Absinto foi dado por João porque o fruto absinto é amargo, e neste caso, o cometa torna amargas as águas. Muitas pessoas morrerão porque beberão desta água.
Quarta Trombeta - Trevas
Deus fará com que o sol, a lua e as estrelas diminuam sua luz e calor (no caso do sol) em um terço. Significa que o dia terá um terço a mais de escuridão e, mesmo quando for durante o dia, a luminosidade e o calor do sol serão um terço menores. O dia será mais frio e menos iluminado. Os efeitos das quatro primeiras trombetas foram terríveis, mas as três seguintes serão piores; pois são apresentadas como “ais”. Provavelmente um dia terá apenas dezesseis horas; João ouve um anjo coando pelo meio do céu, falando “ai,ai,ai” dos que habitam na terra, por causa do toque das trombetas que esta preste a ser dado pelos três outros anjos; o pior esta por vir os três anos e meio finais da tribulação será insuportável (Mateus 24.21).

Sua irmã em Cristo Rosa Dias





(62) 9188 2681 


Face book. Rosa Dias dos Anjos Carvalho


quarta-feira, 23 de outubro de 2013

As últimas coisas / Capitulo 11 / Os 144.000 e a Grande Multidão /Apc 7.


“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                   

Escatologia: “As últimas coisas”.


Índice       

1. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
2.  A Salvação 
3. O Inferno 
4. Os Céus 
5. O Arrebatamento  
6. O Bema de Cristo 
7. As Bodas do Cordeiro 

8. O que está acontecendo no mundo por aí?

9. A visão do Céu  
10. A Grande Tribulação-Apocalipse 6-Os Sêlos.
11.  Os 144.000 e a Grande Multidão /Apc 7.V.1 Depois disso vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos, para impedir que qualquer vento soprasse na terra, no mar ou em qualquer árvore.
Entre o sexto e o sétimo selos, temos um interlúdio, em contrates com as terríveis cenas da ira de Deus retratadas no capitulo 6, o capitulo 7 mostra o povo de Deus sendo selado; começa com a visão de quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra. O capitulo sete é uma pausa entre o sexto e o sétimo selo, mostrando os que permanecerão fiéis a Cristo durante a Tribulação. Estes fiéis de Deus (6.17) são tanto judeus (v.v 3-8) como não judeus (v.v 9,10,13-15). Eles aceitam o evangelho eterno proclamado pelos anjos (14. 6) “E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo”.                            
Essa é a garantia de que os quatro anjos vigiem todo o mundo e nenhuma parte esta fora do seu controle, sua função é reter os quatro ventos para que ventos prejudiciais não soprem sobre arvore alguma; os ventos podem ser outra forma de descrever os quatro cavaleiros dos quatro ventos do céu (Zc.6.5; Is 19.1 e 66.15); enquanto Zacarias associa os ventos ao céu, enfatizando sua sujeição ao Deus do céu, João se refere a eles como ventos da terra, pois sua atividade destrutiva é associada a terra. Os ventos são um símbolo natural de destruição (Is 4.11-12; 49.36). 2 - Então vi outro anjo subindo do Oriente, tendo o selo do Deus vivo. Ele bradou em alta voz aos quatro anjos a quem havia sido dado poder para danificar a terra e o mar:
Um outro anjo sobe do sol nascente, ou seja, do leste; o leste é o lugar onde raia o dia e onde a luz aparece primeiro, o leste simboliza uma fonte de benção (Gn 2.8; Ez 432; Mt 2.1-2); o anjo tem o selo de Deus;  aqui marca os selados como pertencentes a Deus e desse modo, os preserva da destruição que sobrevirá ao mundo. Esse anjo clama em grande voz para os outros quatro e ordena para que não firam nem a terra e nem o mar, nem as arvores ate que os servos de Deus tenham sido selados na testa, V. 3 - "Não danifiquem nem a terra, nem o mar, nem as árvores até que selemos as testas dos servos do nosso Deus". O selo dos servos de Deus pode ser contrastado com a marca da besta, que identifica os indivíduos marcados como adoradores da besta (666) e, portanto, objetos da ira de Deus. Os que têm o selo de Deus, pelo contrario são seus fiéis servos e o adoram na mais perfeita e absoluta devoção, são objetos de sua graça permanente; não serão iludidos pela besta.
Então quem são os 144.000 do Apocalipse 7?
Vs. 4 -8  Então ouvi o número dos que foram selados: cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos de Israel.
5 - Da tribo de Judá foram selados doze mil;da tribo de Rúben, doze mil;da tribo de Gade, doze mil;
6 - da tribo de Aser, doze mil;da tribo de Naftali, doze mil;da tribo de Manassés, doze mil;
7 - da tribo de Simeão, doze mil;da tribo de Levi, doze mil;da tribo de Issacar, doze mil;
8 - da tribo de Zebulom, doze mil;da tribo de José, doze mil;da tribo de Benjamim, doze mil. 
                         
São os judeus, doze mil de cada uma das tribos de Israel que se tornaram cristãos durante a grande tribulação, embora a quem entenda que se trata não só dos eleitos de Israel, mais também dos salvos de todas as nações no período da grande tribulação, isto é os crentes mais os judeus convertidos. Os cento e quarenta e quatro mil são os eleitos de Israel, ao passo que a multidão provém de todas as nações. Os cento quarenta e quatro mil foram selados por Deus antes de começarem os anos piores da tribulação.
A Grande Multidão  Apoc.7.9-17  “ Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos” 
(Assiste o video-clik)               



Percebemos uma grande multidão não contada (os mártires da tribulação) sendo recebidos de vestiduras brancas, alvejadas no sangue do Cordeiro, diante do trono de Deus, não mais na terra, e servem a Deus continuamente. João vê uma grande multidão de pessoas no céu depois de estarem completos os sete anos da grande tribulação; um dos anciãos no céu revela a João a identidade das multidões e o modo como chegaram ao céu; estes são os que vieram da grande tribulação, o capitulo seis diz que muitos seriam martirizados durante a tribulação e lavaram as suas vestiduras no sangue do Cordeiro. A grande multidão finalmente em segurança na casa do Pai, é a resposta ao clamor dos mártires o quinto selo.

Há uma grande discussão teológica a respeito disso, temos dois grupos, o grupo do que acreditam ter uma segunda chance e dos que não creem na existência desta segunda chance.                          a. Os defensores da segunda chance.
Consideramos a multidão em Apoc. 7:9,13,14:
Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são, e de onde vieram?E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.
O versículo diz que é uma multidão que ninguém podia contar. Portanto, muitos se convencerão do pecado durante esse período. São os novos crentes, que se convertem depois do Arrebatamento. Estes crentes se convencem do pecado durante os julgamentos que Deus envia ao mundo no período da Tribulação.                           
Muitos serão salvos durante este período, e que, tendo sido martirizados ou doutra maneira mortos, são imediatamente arrebatados ao céu, um tanto segundo a mesma maneira como as duas testemunhas em Apoc. 11:7-12. Autor: Thomas Paul Simmons, D.Th.
b. Os defensores da não existência de uma segunda chance
Aqueles que tiveram a oportunidade de crer em Jesus antes do  arrebatamento não terão mais nenhuma oportunidade de se arrepender.
Lc.12.46   Virá o senhor daquele servo no dia em que o não espera, e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis.
Mt. 25.10-12  E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta.
E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos.
E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço. (Fonte. Bíblia de estudo do Ensino Pentecostal, pág.2016).
O importante é estar preparado o tempo todo, para morar com Jesus, não importa se antes do arrebatamento ou se no arrebatamento; jamais devemos ter em mente uma segunda chance de salvação após o arrebatamento, agora temos a de graça, e com o nosso livre arbítrio podemos decidir pelo sim:“Eu quero morar no céu”.
Mt.25.13 Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.


Sua irmã em Cristo Rosa Dias
(62) 9188 2681