Total de visualizações de página

Eventos Evangélicos

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

As últimas coisas/Cap.18/O Cordeiro e os seus remidos no monte Sião/Apocalipse 14.

“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                     
Escatologia: “As últimas coisas”, estudo no livro do apocalipse.

Índice       

01. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
02.  A Salvação
03. O Inferno
04. Os Céus
05. O Arrebatamento
06. O Bema de Cristo
07. As Bodas do Cordeiro
08. O que está acontecendo no mundo por aí?
09. A visão do Céu  
10. A Grande Tribulação
11.  Os 144.000 e a Grande Multidão
12. O Sétimo selo - o silêncio no céu
13. A quinta trombeta e o primeiro Ai
14. O Livrinho
15. O Santuário é medido/ As duas testemunhas/A sétima trombeta.

16. A Mulher e o Dragão

17. As duas bestas e o 666 

18. O Cordeiro e os seus remidos no monte Sião

Apocalipse 14.1-5.
E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome de seu Pai.
2E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas.
3E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra.
4Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro.
5E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus.
O Cordeiro e os seus remidos no monte Sião
O capitulo 14 de Apocalipse começa descrevendo uma cena de 144.000 crentes proeminentes que aparecem no céu perto do Cordeiro. Certamente estes são os mais consagrados e fiéis do povo de Deus de todos os tempos, pois desfrutam de posições especiais no céu. O Cordeiro e seus seguidores são contrastados com a besta e seis seguidores; * Eles levam o nome de Deus na testa (V.1; 7.3,4),  assim como os seguidores da besta são marcados com o nome dela (V.13.16,17). * Os seguidores de Cristo não contam mentiras, enquanto os seguidores da besta são enganados por sinais de mentiras. * Os seguidores de Cristo se conservam castos (V.4), isto, é celibato espiritual, não se contaminam com a idolatria, permanecem puros diante de Deus. Enquanto os seguidores da besta são apostatas da fé, não creem mais em Deus e sim idolatram a besta.
Esse cenário do Apocalipse é a maior divisão de crença já vista, só haverá duas escolhas e as pessoas serão fiéis a ela: a) os que adoram a Jesus, o Messias, b) os que adoram a besta, o anticristo.
Somente os remidos da Tribulação poderão ouvir e cantar o cântico novo, os adoradores do anticristo não conseguirão aprender o novo cântico, talvez por ser uma língua estranha vinda do céu, tudo diz que só os adoradores de Cristo, cantaram.
Os 144.000 são provavelmente os mesmos citados em Apocalipse 7.4; a maioria dos interpretes acredita que são os eleitos de Israel (judeus) selados por Deus no meio do período dos sete anos da Tribulação; são as primícias, em contraste com a colheita geral. Podem ser referidos como primícias porque foram os primeiros a serem salvos durante a Tribulação. Outros acreditam que isso confirma que eles são judeus, a noiva de Deus, as primícias, de modo semelhante à igreja, que é a noiva de Cristo.
No inicio desse capitulo vemos o Cordeiro em pé no monte Sião. Com Ele estão os 144.000; o monte Sião é outro nome de Jerusalém. Existem muitas passagens na Bíblia, que designam Sião como o lugar escolhido por Deus na terra, Sl 132.13,14: Porque o Senhor escolheu a Sião; desejou-a para a sua habitação, dizendo:
14Este é o meu repouso para sempre; aqui habitarei, pois o desejei.
15Abençoarei abundantemente o seu mantimento; fartarei de pão os seus necessitados.
16Também vestirei os seus sacerdotes de salvação, e os seus santos saltarão de prazer.
17Ali farei brotar a força de Davi; preparei uma lâmpada para o meu ungido.
18Vestirei os seus inimigos de vergonha; mas sobre ele florescerá a sua coroa. Embora essa seja a única referencia a Sião no Apocalipse, parece confirmar varias passagens do A.T que sugerem que Jerusalém será o centro do Reino terrestre de Cristo na sua Segunda Vinda: “E acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do Senhor no cume dos montes, e se elevará por cima dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações.
E irão muitos povos, e dirão: Vinde, subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá à lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor.
E ele julgará entre as nações, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerrear”. Isaías 2:2-4. “Grande é o SENHOR e mui digno de louvor, na cidade do nosso Deus, no seu monte santo.
Formoso de sítio, e alegria de toda a terra é o monte Sião sobre os lados do norte, a cidade do grande Rei.” Salmos 48:1-2.
Essa cena na verdade se dará no final da grande Tribulação, veremos mais a frente.
Três anjos proclamam os juízos de Deus. V.6-13. Há duas multidões constituídas, uma daqueles que aceitaram o sistema mundial secular e a outra composta de santos. Ouvi se três anúncios, cujo propósito é instar os povos da terra a se juntar aos justos e encorajar os fiéis perseguidos com a informação de que Deus esta prestes a recebe lós em seu descanso. O primeiro anjo proclama o evangelho ao mundo inteiro; durante a segunda metade da Tribulação, o evangelho de Cristo será proclamado por um anjo ao mundo dizendo que Jesus esta por vir e firmar o seu Reino Milenar e os que o aceitarem serão salvos, porem os que não o aceitarem serão jogados no inferno, essa mensagem será advertida com clareza e poder, um alerta a humanidade para temer a Deus. O quadro aqui é de evangelização geral ao mundo, essa será uma arma poderosa do Cordeiro contra o anticristo, um evangelho simples e objetivo “O Reino Milenar se aproxima”; ainda que um anjo tenha poder para falar do alto céu e fazer com que todos os povos ouçam, tenho meu particular em acreditar que esse anjo terá acesso às redes sociais e ninguém terá como escapar de seus avisos, esse anjo provavelmente não aparecerá voando com duas enormes asas, ainda que se esse for o decreto de Deus, ninguém o limita, mas é provável que virá em forma humana e entrara nas casas com sua mensagem de ultima hora, através da rede social (esse é um parecer meu e não Bíblico). De qualquer forma o anjo esta avisando aos habitantes da terra sobre um tipo de ultima chamada, para os que ainda precisam se arrepender, pois Cristo vira estabelecer seu reino a qualquer hora.O segundo anjo proclama a queda iminente da grande Babilônia.
6E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo,
7Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.
8E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu Babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua fornicação.
9E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão,
10Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.
11E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome.
12Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.
13E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem.
A Babilônia representa o sistema político, religioso e comercial do mundo inteiro, nos tempos do fim. A trindade satânica (o dragão e as duas bestas) consegue fazer todas as nações beberem do vinho da fúria da sua prostituição (espiritual), isso parece aludir à formação de uma única religião e de um sistema político mundial único, sabemos que atualmente o mundo já caminha para isso. A transgressão da perversa Babilônia consiste em fazer com que as pessoas se desviem do caminho certo e se esquecessem definitivamente, que Deus é verdadeiro, as pessoas não guardam mais os mandamentos do Senhor; em outra passagem João se refere a Sodoma e Egito juntos como grande cidade. Apocalipse fala de uma cidade santa da parte de Deus, e de uma cidade perversa da parte de Satanás.
O objetivo geral do ato dos versos 12 e 13 é elogiar os santos por sua perseverança mesmo em meio à perseguição. Se morrerem no Senhor encontrarão nele descanso das suas fadigas.
A Ceifa e a Vindima, V.14-20.  E olhei, e eis uma nuvem branca, e assentado sobre a nuvem Um semelhante ao Filho do homem, que tinha sobre a sua cabeça uma coroa de ouro, e na sua mão uma foice aguda.
15E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice, e sega; a hora de segar te é vinda, porque já a seara da terra está madura.
16E aquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a sua foice à terra, e a terra foi segada.
17E saiu do templo, que está no céu, outro anjo, o qual também tinha uma foice aguda.
18E saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foice aguda, dizendo: Lança a tua foice aguda, e vindima os cachos da vinha da terra, porque já as suas uvas estão maduras.
19E o anjo lançou a sua foice à terra e vindimou as uvas da vinha da terra, e atirou-as no grande lagar da ira de Deus.
20E o lagar foi pisado fora da cidade, e saiu sangue do lagar até aos freios dos cavalos, pelo espaço de mil e seiscentos estádios.
Esse capítulo começa com a visão das primícias e termina com a visão da colheita final; havendo entremeio o periodo da pregação. Os selos e as trombetas descortinam o panorama inteiro ate o fim, no capitulo 11; os capítulos 12 a 14, voltando ao ponto de partida, contem outra serie que continua ate o fim; a historia da besta, que termina derrotada pelo Cordeiro. Essa visão é outra representação da parábola do joio (Mt13.37-43), ambas retratam a colheita final dos eleitos. Aparece Um semelhante ao Filho do Homem, com uma coroa sobre a cabeça e uma foice aguda na mão e este estava sentado sobre uma nuvem branca, e um outro anjo saiu do templo e ordenou ao anjo da foice que colhesse a ceifa, pois já esta madura. Esse semelhante ao Filho do Homem é uma figura de Cristo, ele esta pronto para lançar a foice do julgamento num mundo já maduro na iniquidade.
A colheita da raça humana já tinha sido mencionada muito tempo antes no antigo testamento em Jo 3.13,14
13 Lancem a foice, pois a colheita está madura.Venham, pisem com força as uvas,
pois o lagar está cheio e os tonéis transbordam,tão grande é a maldade dessas nações!" .
14 Multidões, multidões no vale da Decisão!Pois o dia do Senhor está próximo, no vale da Decisão.
Essa visão se refere aos ímpios, pois o lagar é o grande lagar da ira de Deus. É outra representação da perdição dos ímpios, conforme disse Jesus: O inimigo, que o semeou, é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifeiros são os anjos.
Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo.
Mandará o Filho do homem os seus anjos, e eles colherão do seu reino tudo o que causa escândalo, e os que cometem iniqüidade.
E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mateus 13:39-42.
O vinho que corre no lagar simboliza o derramamento do sangue dos culpados que foram executados. A imagem do sangue que se eleva até a altura dos freios dos cavalos, numa extensão de mil e seiscentos estádios (300),  esses 300 km correspondem aproximadamente o comprimento da Palestina de norte a sul. O julgamento mostra que não se trata de vingança humana, mas exclusivamente da vingança executada pelo Filho do Homem e seus anjos ceifeiros. O sangue dos que foram abatidos cobriu essa área e alcançou a altura dos freios de cavalos. Uma grande matança ocorrerá nos últimos dias da Tribulação, trata se da batalha do Armagedom (Zc. 14.1-4). (assunto que ainda chegaremos nele).
Sua irmã em Cristo Rosa Dias

(62) 9188 2681

Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário

Nenhum comentário:

Postar um comentário