Total de visualizações de página

Só Jesus Cristo salva!

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

As últimas coisas/Capitulo23/A destruição da besta e do falso profeta /Apoc.19.



“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                     
Escatologia: “As últimas coisas”, estudo no livro do apocalipse.
Índice   
01. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
02.  A Salvação
03. O Inferno
04. Os Céus
05. O Arrebatamento
06. O Bema de Cristo
07. As Bodas do Cordeiro
08. O que está acontecendo no mundo por aí?
09. A visão do Céu  
10. A Grande Tribulação
11.  Os 144.000 e a Grande Multidão
12. O Sétimo selo - o silêncio no céu
13. A quinta trombeta e o primeiro Ai
14. O Livrinho
15. O Santuário é medido/ As duas testemunhas/A sétima trombeta.

16. A Mulher e o Dragão

17. As duas bestas e o 666 

18. O Cordeiro e os seus remidos no monte Sião

19.  O Cântico dos Vencedores
20. As sete taças
21. Caí a Grande Babilônia.
22. A destruição da besta e do falso profeta.

E, depois destas coisas ouvi no céu uma grande voz de uma grande multidão, que dizia: Aleluia! A salvação, e a glória, e a honra, e o poder pertencem ao Senhor nosso Deus;
Porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua fornicação, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos.
E outra vez disseram: Aleluia! E a fumaça dela sobe para todo o sempre.
E os vinte e quatro anciãos, e os quatro animais, prostraram-se e adoraram a Deus, que estava assentado no trono, dizendo: Amém. Aleluia!
E saiu uma voz do trono, que dizia: Louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes.
E ouvi como que a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina.
Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.
E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.
E disse-me: Escreve: Bem aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.
E eu lancei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: Olha não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus. Adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia.
E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça.
E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo.
E estava vestido de veste tingida em sangue; e o nome pelo qual se chama é A Palavra de Deus.
E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro.
E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso.
E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores.
E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus;
Para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam; e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes.
E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército.
E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre.
E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes.   Apocalipse 19:1-21
A destruição da besta e do falso profeta. Gritos de ‘aleluias’ (que significam ‘louvado seja o Senhor’) ressoam no céu; João escuta o som de uma grande multidão exclamando a Deus com glorias e louvores. A salvação e a glória e o poder são do nosso Deus; primeiro o coro louva a Deus por condenar a meretriz (v.1 e 2) e em seguida, celebra a destruição eterna da cidade (v.3). Os vinte e quatro  anciãos e os quatro seres viventes respondem com sua própria expressão de louvor (v.4). Por fim, uma voz do trono convida todos os servos de Deus a louva-lo (v.5). (V.6-10) ouvimos os louvores do povo de Deus, uma grande multidão, a qual é constituída pelos remidos; todos os remidos aparecem em cena vestidos de linho finíssimo, resplandecente e puro, o traje obrigatório para entrar na sala do Rei dos reis; a festa vai começar. Seguem-se os alegres acordes do cortejo nupcial, quando o cordeiro toma para si sua santa noiva. Chegou à hora das bodas do Cordeiro, a noiva já se aprontou (depois do julgamento no céu para galardão, a noiva se preparará vestindo de linho fino, para então acontecer esse tão esperado casamento. (Vs.11-16) Cristo volta montado num cavalo branco e seguido por todos os exércitos do céu (incluindo todos os remidos), esses voltarão cada qual montado em um cavalo, para lutar com Cristo na batalha do Armagedom. O julgamento da cidade perversa é seguida de uma visão da volta de Cristo e do estabelecimento da cidade eterna de Deus. A vinda de Cristo é retratada  por meio de uma série de imagens simbólicas que destacam aspectos de um acontecimento grandioso demais para ser compreendido de antemão. Quando o céu se abre, a primeira coisa que João vê é Fiel e Verdadeiro montado em um cavalo branco, este sai do céu que se encontra aberto. A observação de que ninguém conhece o nome completo do cavaleiro significa que ninguém é capaz de sondar as profundezas de sua pessoa. O cavaleiro e aqueles que o seguem estão vestidos para combate e reúnem para a batalha  do Armagedom. É  apropriado o titulo que ele receberá no devido tempo ‘Rei dos reis e Senhor dos senhores’.  V. 17-21, em seguida, vemos Deus derramar seu juízo sobre a trindade satânica; (Primeiramente são destruídos o falso profeta e o anticristo; posteriormente o dragão, Satanás), a antiga serpente vai para sua perdição final, todos vão vivos para o inferno; porém os demais que tem a marca 666 serão mortos e as aves comerão suas carnes, só no juízo final é que ressuscitarão para condenação e serão jogados no abismo profundo eternamente; não ficará um ímpio se quer sobre a face da terra, pois o Milênio que se segue será composto de pessoas fiéis a Deus.

Sua irmã em Cristo Rosa Dias

 (62) 9188 2681   
Face book. Rosa Dias dos Anjos Carvalho
Obs: Para ir para qualquer um dos assuntos do índice ou mesmo outro tema, clique no final de cada pagina vista ¨postagem antiga¨e assim você verá todas as postagens deste blog página por página. Ou então copia o assunto do índice ou tema e cola em ¨pesquisar este blog" e clique em pesquisar.

As últimas coisas/Capitulo22/Caí a Grande Babilônia/Apoc.18.

“Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem”.  Ct. 2.11-13                                                     
Escatologia: “As últimas coisas”, estudo no livro do apocalipse.
Índice   
01. Os Sinais da segunda vinda de Cristo
02.  A Salvação
03. O Inferno
04. Os Céus
05. O Arrebatamento
06. O Bema de Cristo
07. As Bodas do Cordeiro
08. O que está acontecendo no mundo por aí?
09. A visão do Céu  
10. A Grande Tribulação
11.  Os 144.000 e a Grande Multidão
12. O Sétimo selo - o silêncio no céu
13. A quinta trombeta e o primeiro Ai
14. O Livrinho
15. O Santuário é medido/ As duas testemunhas/A sétima trombeta.

16. A Mulher e o Dragão

17. As duas bestas e o 666 

18. O Cordeiro e os seus remidos no monte Sião

19.  O Cântico dos Vencedores
20. As sete taças
21. Caí a Grande Babilônia
“Mistério Babilônia X Babilônia a Grande”. Mistério Babilônia representa o sistema religioso mundial; líder: a Besta-cordeiro; O falso profeta chefe da religião mundial. É semelhante a uma mulher adúltera; ema mãe. Sua missão é: Seduzir toda a população para adorar o Anticristo e lhe dar poder e riquezas. Sua posição: Sentada sobre sete colinas. Destruição Arruinada pelos reis da terra. Reação à sua destruição: Não se sabe certo, mas provavelmente os reis celebram. Babilônia a Grande: Representa o sistema político e comercial mundial. Líder: A Besta-Leopardo e Líder político Mundial. Semelhante a uma grande cidade. Sua missão reunir todos os recursos da terra para a guerra final contra Deus, a fim de não perder o domínio do mundo. Posição: Visível do mar. Destruição: Totalmente destruída pela ira de Deus. Reação à sua destruição: Reis, comerciantes e marinheiros choram e lastimam a perda de seu poder e riquezas.

E depois destas coisas vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória.
E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e coito de todo espírito imundo, e coito de toda ave imunda e odiável.
Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua fornicação, e os reis da terra fornicaram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias.
E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas.
Porque já os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou das iniqüidades dela.
Tornai-lhe a dar como ela vos tem dado, e retribuí-lhe em dobro conforme as suas obras; no cálice em que vos deu de beber, dai-lhe a ela em dobro.
Quanto ela se glorificou, e em delícias esteve, foi-lhe outro tanto de tormento e pranto; porque diz em seu coração: Estou assentada como rainha, e não sou viúva, e não verei o pranto.
Portanto, num dia virão as suas pragas, a morte, e o pranto, e a fome; e será queimada no fogo; porque é forte o Senhor Deus que a julga.
E os reis da terra, que fornicaram com ela, e viveram em delícias, a chorarão, e sobre ela prantearão, quando virem a fumaça do seu incêndio;
Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande cidade de Babilônia, aquela forte cidade! pois em uma hora veio o seu juízo.
E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra; porque ninguém mais compra as suas mercadorias:
Mercadorias de ouro, e de prata, e de pedras preciosas, e de pérolas, e de linho fino, e de púrpura, e de seda, e de escarlata; e toda a madeira odorífera, e todo o vaso de marfim, e todo o vaso de madeira preciosíssima, de bronze e de ferro, e de mármore;
E canela, e perfume, e mirra, e incenso, e vinho, e azeite, e flor de farinha, e trigo, e gado, e ovelhas; e cavalos, e carros, e corpos e almas de homens.
E o fruto do desejo da tua alma foi-se de ti; e todas as coisas gostosas e excelentes se foram de ti, e não mais as acharás.
Os mercadores destas coisas, que dela se enriqueceram, estarão de longe, pelo temor do seu tormento, chorando e lamentando,
E dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! que estava vestida de linho fino, de púrpura, de escarlata; e adornada com ouro e pedras preciosas e pérolas! porque numa hora foram assoladas tantas riquezas.
E todo piloto, e todo o que navega em naus, e todo marinheiro, e todos os que negociam no mar se puseram de longe;
E, vendo a fumaça do seu incêndio, clamaram, dizendo: Que cidade é semelhante a esta grande cidade?
E lançaram pó sobre as suas cabeças, e clamaram, chorando, e lamentando, e dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! na qual todos os que tinham naus no mar se enriqueceram em razão da sua opulência; porque numa hora foi assolada.
Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já Deus julgou a vossa causa quanto a ela.
E um forte anjo levantou uma pedra como uma grande mó, e lançou-a no mar, dizendo: Com igual ímpeto será lançada babilônia, aquela grande cidade, e não será jamais achada.
E em ti não se ouvirá mais a voz de harpistas, e de músicos, e de flautistas, e de trombeteiros, e nenhum artífice de arte alguma se achará mais em ti; e ruído de mó em ti não se ouvirá mais;
E luz de candeia não mais luzirá em ti, e voz de esposo e de esposa não mais em ti se ouvirá; porque os teus mercadores eram os grandes da terra; porque todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias.
E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra.   Apocalipse 18:1-24

O Capitulo 18 descreve a destruição da cidade da Babilônia, que é centro do poderio político e econômico do anticristo (também denominada Babilônia, a Grande). No capitulo 17, João descreve a destruição do sistema religioso idolatra mundial, João começa o capitulo 18 com a expressão “depois disso”, ou seja, depois da destruição da babilônia religiosa. Ele teve a visão da queda da cidade de Babilônia, a Grande. V. 1. O acontecimento da queda da Babilônia é tão magnífico que um anjo de glória resplandecente é o portador da notícia divina. V2. O anjo clama fortemente: Caiu! Caiu a Grande Babilônia! Essa cidade representa os sistemas políticos e econômicos do mundo, ela é a habitação de demônios. V.3. Os reis da terra se deixarão dominar pelos poderes satânicos, se embriagarão na luxúria, pois os comerciantes prosperarão fortemente, eles se enriquecerão. A visão de João permite aos leitores ainda, vislumbrar o modo pelo qual a Babilônia adquiriu sua riqueza à custa de outros (Vs.5,6,13).  V.4. João ouve uma voz do céu, que se supõe ser Deus dizendo: “Saiam dela povo meu”, para que não venhais participar dos seus pecados; para que as pragas não venham atingi-los.  V.5-20. Três grupos ficarão enlutados ao ver a cidade “potencia mundial” ser incendiada e totalmente destruída, e com ela o âmago do sistema político e comercial; os reis; os negociantes e os marinheiros. V.21. A Grande cidade é destruída quando um anjo lança ao mar uma pedra. Esse evento é predito tamanho de uma grande pedra de moinho em Dn.2.34,35; (a maioria das pessoas acreditam que essa pedra seja Cristo). A pedra de moinho normalmente media um metro e meio de espessura e pesava algumas centenas de quilos com um gesto rápido, o anjo lança a pedra no mar e, de repente, a cidade desaparece para sempre (Jr.51.64; Ez.26.21). O julgamento é um golpe mortal sobre a cidade.  V.22-24. O motivo desse julgamento tão severo à Babilônia, é que ela seduziu todas as nações e martirizou os antigos profetas e os santos do novo testamento até aquele dia. O casamento entre a besta-leopardo e a besta-cordeiro, esse adultério entre a igreja e o mundo, que recebe o nome de ‘Babilônia’, está condenado. Quando for derrubada, todo o céu ressoará com aleluias. (ft.MBH, CBA e RDAC).

Sua irmã em Cristo Rosa Dias

 (62) 9188 2681   
Face book. Rosa Dias dos Anjos Carvalho
Obs: Para ir para qualquer um dos assuntos do índice ou mesmo outro tema, clique no final de cada pagina vista ¨postagem antiga¨e assim você verá todas as postagens deste blog página por página. Ou então copia o assunto do índice ou tema e cola em ¨pesquisar este blog" e clique em pesquisar.